Buscar
  • Gisele Letieri

A tradicional matança de baleias há mais de mil anos, acontece de novo nas ilhasFaroé, na Dinamarca

Em 27 de junho de 2021, a tripulação da Sea Shepherd deu testemunho de 175 baleias-piloto nas Ilhas Faroe, cujas vidas foram impiedosamente tiradas delas em nome da 'tradição'. Os mortos incluíam jovens e mulheres grávidas, cujos fetos quase totalmente formados foram descartados como lixo 💔 As câmeras da tripulação capturaram todos os tipos de atrocidades e desrespeito pela vida, incluindo um barco deliberadamente colidindo com um pequeno grupo de baleias que estavam resistindo a serem levadas para a praia da morte, então manobrando com a hélice do barco bem por cima das baleias. O que é mostrado neste vídeo é apenas um vislumbre. Nossa tripulação está nas ilhas para ser a voz das baleias. Eles não têm intenção de causar danos, mas são ameaçados e assediados por habitantes locais que não querem que sua tradição "orgulhosa" seja documentada e exposta ao mundo.

Fonte e imagens Sea Shepherd

Após este extermínio, onde adultos e crianças participam, as águas da baía de Sandavágur, na ilha de Vágar, ficam completamente tingidas de vermelho. ​O cruel abate de baleias das Ilhas Faroé transforma o mar em cor vermelha, enquanto os pescadores forçam centenas de baleias à costa para abatê-las O objetivo deste evento centenário é distribuir carne e gordura dessas espécies entre os habitantes. No entanto, devido à contaminação das águas, os especialistas consideram que sua carne não deve ser consumida. Como isso acontece? Os grupos de baleias e golfinhos nadam perto da costa em sua temporada de migração. Os pescadores aproveitam-se disso, cercando-os e conduzindo-os às águas pouco profundas da baía. Assim que presos, a aniquilação se inicia, na qual participam até crianças de cinco anos. Testemunhas contaram cenas cruéis desses mamíferos decapitados que se contorcem de dor entre as águas manchadas de sangue.

A organização da Sea Shepherd, que lida com a proteção da fauna marinha, tem tentado interromper essa prática nas Ilhas Faroé com a abertura de vários processos legais que não tiveram resultados. Da mesma forma, outros grupos ambientalistas divulgaram as imagens do abate para alertar sobre sua prática.


24 visualizações0 comentário